A Liberdade da Memória

Alegremente vivo. Ecoam armas, sibilam e eu danço até ao nunca. Ouvem-se estrondos. Triste? Mas o que é a tristeza quando os dias são de sangue, corpos amontoados a pingar, outros incinerados e desfigurados, o que é então a tristeza? Fluxos diversos entre ódios, pesares e cruéis indiferenças. Escuto Pavarotti e não sei se finjo ou finto a existência. Importa é estarmos vivos, simplesmente vivos

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s