Perplexidades

Clamo por tempos que não existem, clamo por nós. O céu oculta um desejo desavindo, uma promessa consentida. Amo esta ilusão, amo este deslizar fundo na náusea. Luar de eclipses noite de sangue. Na memória a reinvenção do tempo. Premissas amada, meras premissas. Tua boca teus lábios ancorados de mel. Neste aqui ou acolá o nosso inveterado perdão. Houvera solidão e esquecimento. Por ti dádiva o desconsolo das horas Perdidas, meramente conquistadas, singelamente doridas.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s