Vozes Perdidas

Houve o sorriso na dispersão das noites. Pudera amar, pudera fluir. Na agonia do presente nossa rouquidão Terras Agonia, insepulto presente. E quem nos esquece o tempo? Na margem de guerra e paz o acorde de sonhos. Fluimos como nunca. Noite rameira noite incerta. Houve este sonho, houvera margens

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s